quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Dicas para Iniciantes em Corridas

Sobre o tênis:
Na hora de comprar um novo tênis, lembrem que vocês estão investindo em sua saúde! Comprar um tênis com um preço menor nem sempre é vantagem. O tênis é nosso companheiro de corrida e portanto, deverá ser de boa qualidade, além de ser adequado à nossa pegada. Vocês podem encontrar os procurar tênis o tipo de tênis ideal para sua pisada (Neutra, Pronada e Supinada).

Sobre o monitor de freqüência cardíaca(F.C.) ou GPS:
Existem diferentes tipos de aparelhos para medir tempo, batimento cardíaco e distância durante o treino. Alguns preferem correr utilizando um GPS e para outros, o velho e conhecido polar já é suficiente. Vocês podem optar por qualquer um dos dois. A diferença básica entre o GPS (Garmin) e o monitor de F.C. é que o GPS oferece como função básica velocidade e distância além da F.C.(muito mais completo) e o monitor marca apenas a F.C.
O importante é que vocês tenham algum desses aparelhos para poder controlar a intensidade do treino. Trabalhando na zona adequada o objetivo é alcançado com muito mais segurança.

Sobre a roupa:
Os shorts devem ser leves e com comprimento acima do joelho para que possa permitir uma melhor amplitude articular da passada. Em relação ao material, os shorts mais indicados são feitos de tecido tecnológico que secam rapidamente. Mas isso não significa que vocês não possam começar a correr que shorts longos e de materiais diferentes. É tudo uma questão de conforto!

Sobre o sol:
Sempre usem protetor solar e procurem usar também um boné ou viseira.

As dicas são do Prof.Henrique Marinho Diretor Técnico ATP run

domingo, 26 de outubro de 2008

Beleza é fundamental ????????????

video

Educação Profissional x Crescimento Econômico

Apresento a vocês, minha conclusão sobre a contribuição da educação profissional para o crescimento do Brasil, onde destacamos a importância do Estado na formação de uma mão-de-obra adequada e qualificada. Ressaltamos também, a falta de intervenções acentuadas devido a inexistência de politicas públicas modernizantes, nesta área.
A importância da iniciativa privada na educação profissional justifica-se, segundo o Banco Mundial, pela incapacidade das instituições públicas de acompanharem, com eficiência, as modificações no mundo do trabalho. No seu entender, a educação profissional, para ser eficiente, necessita de uma nova institucionalidade que garanta sua maior flexibilização, fato este que não ocorre quando a mesma está subordinada às instituições estatais. Por conta disso, defendemos que a educação profissional seja ministrada em separado da educação formal.
Além disso, a missão do Estado deve ser de propor política pública nacional de educação profissional que priorize, de forma integrada e/ou articulada, a alfabetização, a elevação da escolaridade e a formação profissional dos 65 milhões de trabalhadores jovens e adultos, em especial os desempregados, chefes de família, mulheres, jovens em busca do primeiro emprego e em situação de risco social, portadores de deficiências e membros de etnias que sofrem discriminação social. Ressaltamos ainda, da necessidade do Estado em adotar políticas públicas que desonere os encargos sociais incidentes sobre a folha pagamento pagas pelas empresas como parte do custo total do trabalho, principalmente aqueles encargos que servem para financiar a educação profissional, conseqüentemente estará reduzindo o “Custo Brasil”.